Traductor

sábado, 25 de dezembro de 2010

Rabanadas


Em muitas famílias portuguesas a ceia de Natal não é a mesma se não tiver um prato de rabanadas na mesa. O doce típico português, feito com pão amanhecido embebido no leite, ou numa calda de açúcar. No Minho utiliza-se o vinho para as embebedar deixando a sobremesa um pouco mais escura. A quem também chame as Rabanadas fatias douradas ou fatias-de-parida. No Nordeste brasileiro, ela recebe o nome de fatia parida e os pedaços de pão são umedecidos em leite de coco. Segundo uma lenda, uma mulher pobre precisava alimentar o seu filho recém nascido. Após comer restos de pão molhados em leite, único alimento que tinha, conseguiu amamentar o seu filho e ainda outras crianças, por isso, o doce é símbolo de fartura e prosperidade, é essa a explicação dada para  estar presente numa mesa na noite de ceia.

Ingredientes
Um pau de canela
Açúcar que baste
Ovos que baste
Leite que baste
Casca de um limão
Pão de barra ou cacete 
Canela em pó a gosto
Azeite ou óleo para fritar

Preparação
Corta-se o pão em fatias da grossura de um dedo, entretanto põe-se ao lume um tacho com água ( + ou - um copo ), a casca do limão, o pau de canela  e deixa-se levantar fervura, adoce com açúcar a gosto e junte o leite (3 copos para 1 de água ), deixe arrefecer um pouco. Batem-se como para omeleta os ovos precisos, remolhão-se as fatias na calda preparada e passam-se nos ovos e fritam-se no azeite que já deve estar a ferver, deixando-as ficar bem douradas. Depois de fritas põe-se numa travessa e povilhal-se com canela.
Querendo pode fazer uma calda de açúcar em ponto muito alto para regar as rabanadas, mas acreditem só com canela são uma delicia

Bom Apetite

Toucinho-do-ceu



Guimarães é chamada de o "Berço da nação" porque foi aqui que, em 1128, Portugal declarou a sua independência dos espanhóis de Castela e da Galiza. Hoje, porém, é mais conhecida por uma sobremesa chamada toucinho-do-céu (Bacon from Heaven), um bolo rico de ovo, amêndoa e chila com origem no convento de Santa Clara, fundado no século XVI. Em 1834, o convento desapareceu, mas os seus descendentes transmitiram uma versão da iguaria. O toucinho-do-céu tem um gosto açucarado e único.

O toucinho-do-céu é a mais soberba das especialidades da doçaria Vimaranense, preparando-se em várias casas que dizem seguir a receita de Santa Clara. Nem sempre será assim. O toucinho-do-céu é um doce conventual de ovos e amêndoa com chila. Não raras vezes, o que se encontra por aí é um doce de forno à base de chila, com ovos e sinais (às vezes, nem isso) de amêndoa. Uma excelente iguaria, para os apreciadores de chila. Mas que não lhe chamem toucinho-do-céu.


Ingredientes
200 gramas de miolo de amêndoa
50 gramas de doce de chila
4 ovos inteiros
8 gemas
400 gramas de açúcar
1 limão (só raspa)
1 colher (das de café) de canela
Manteiga e farinha para untar e farinhar a forma

Preparação
Sé não encontrar miolo de amêndoa, tendo das normais depois de escaldadas, escorra e pele-as ainda quentes, passe no 1-2-3 e reserve. numa tigela a mão bata muito bem os ovos, as gemas e o açúcar junte o miolo de amêndoa, a raspa da casca do limão, a canela e o doce de chila, bata bem. Verta para um tacho e leve ao lume Fraco para cozer as gemas e deixe arrefecer. Depois de frio mexa e deite o preparado para uma forma retangular e baixa, untada com manteiga e farinhada ( ter atenção para untar bem e farinhar, pois o doce pode pegar a forma ). Leve ao forno pre-aquecido 180º durante cerca de uma hora. Desenforme depois de frio e polvilhe com açúcar fino (em pó ).


Bom Apetite

sábado, 18 de dezembro de 2010

Bacalhau à Zé do Pipo

Esta é a minha sugestão para noite de ceia , em vez do celebre bacalhau com verduras, porque não fazer este prato que Também é bem Português “ Bacalhau à Zé do Pipo “ ( este prato foi feito na casa da Tia Sandra durante as minhas ferias ). Zé do Pipo foi dono de um restaurante tradicional da cidade do Porto e autor de uma receita batizado com o seu nome: “Bacalhau à Zé do Pipo”. Neste prato, as postas de bacalhau são cobertas com maionese e rodeada com purê de batata que vai ao forno para gratinar (  aqui nesta receita substitui o purê por batatas as rodelas e fritas em azeite ). Nos anos 60 ganhou um prêmio num concurso gastronômico o que lhe deu notoriedade, tendo então este prato sido adotado por muitos restaurantes  do Porto como especialidade da casa.

Ingredientes
4 postas de bacalhau
1 kg de batatas
1 l de leite
50 g de manteiga
1 cebola
2 dentes de alho
1 copo de vinho branco
400 gramas de maionese
1 pimento vermelho
azeite
Sal
Pimenta
noz-moscada
farinha

Preparação
 Descasque as batatas ( de preferência das vermelhas ) e corte as rodelas ligeiramente grossas e frite em azeite ( não fritar muito pois ainda vai ao forno ) e reserve. Se preferir com purê coza-as em água com sal. Escorra-as e passe-as pelo passe-vite. Junte a manteiga e leve a lume brando. Adicione aos poucos  leite quente, não parando de mexer ate obter um purê durinho. Tempere com pimenta e noz-moscada, retire do lume e reserve. Coza as postas de bacalhau, ( previamente de molhadas ) no leite durante 4 minutos aproximadamente, retire e seque-as com um pano, deixe esfriar e  passe-as por farinha. Frite-as em azeite e coloque-as numa travessa de ir ao forno. À parte, aqueça o azeite com os dentes de alho picados o  pimento as tiras a cebola as rodelas e o vinho branco. Regue o bacalhau com este molho. Cubra com maionese e coloque as batatas as rodelas a toda volta (ou o purê de batata). Leve ao forno a gratinar, ( pré-aquecido a 220º ) por cerca de 20 minutos. Decore com tiras de pimento vermelho e sirva ainda quente.

Bom Apetite

Nota:
Hoje em dia  a boas marcas de maionese na qual pode utilizar, mas se preferir pode fazer  uma maionese caseira da seguinte maneira :
Vinte minutos antes de confeccionar a maionese ponha todos os ingredientes ( gemas de ovo, azeite, mostarda,sal, pimenta e vinagre que baste )em cima da mesa. Desmanche as gemas numa tigela com a mostarda, sal e pimenta,  junte algumas gotas de vinagre e mexa com um batedor de varas e quando estiver bem ligado comece a juntar o azeite em fio, sem parar de mexer. Se ao misturar o azeite se notar que o molho está a ficar demasiado grosso junte um pouco de vinagre. Guarde a maionese no frigorífico até ao momento de utilizá-la.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Pescadinha com rabo na boca

Não vou entrar em muitos pormenores, pois este prato e bem simples e fácil de fazer, depois das pescadinhas bem limpas tempera-se com sal, pimenta e alho bem picadinho, passado 1/2 hora ponha o rabo da pescadinha na boca e aperte para que morda e prenda o rabo, passa-se na farinha de trigo e frite em azeite. O acompanhamento pode ser um arroz de cenoura ( no caso ) ou arroz de feijão, se preferir pode servir com uma saladinha mista. Se quiserem na hora de servir podem por uns gomos de limão que vai muto bem com pescado frito.
Para fazer o arroz de cenoura basta na altura de estrugir o alho e a cebola picados, por também cenoura ralada  e seguir o processo habitual. Com o arroz de feijão basta seguir a receita de 02/03/10

Bom Apetite

sábado, 11 de dezembro de 2010

Cavacas


Ò freguesinho, não vai meio arrátel? Olhe que são de Resende!”,
Era desta forma que as doceiras do concelho apregoavam, no século XIX, um dos doces regionais mais deliciosos e apreciados nesta região: as Cavacas de Resende as mais famosa de todas. Hoje, as Cavacas encontram-se à venda durante todo o ano em quase todos os cafés, pastelarias e restaurantes, e como a sua confecção é aparentemente fácil, há muitas pessoas que as sabem confeccionar, não correndo o risco de esta tradição acabar. 
Sobre a origem deste precioso doce não há registos, no entanto, existe uma lenda que defende o seguinte: na Idade Média, uma senhora que residia em Vinhós ( concelho de Resende ) preparava a boda de casamento da sua filha e confeccionou o bolo de noiva, entretanto, o casamento teve de ser adiado devido a uma peste que estava a assolar o concelho, e dadas as poucas possibilidades econômicas, a senhora viu-se obrigada a conservar o bolo até á data do casamento, pelo que retirou a parte de cima daquele e molhou a parte restante numa calda de açúcar que lhe restituiu a frescura e fez as delícias de todos os convidados.
Tratando-se de um doce conventual, penso que vai bem nesta altura do ano.

Ingredientes; para as cavacas
8 ovos
1 chávena ( das de chá )de farinha de trigo
3/4 de chávena ( das de chá ) de azeite
1/2 chávena ( das de chá ) de aguardente
manteiga que baste para untar as formas
Ingredientes; para a calda
3 claras de ovo
1 1/2 chávena ( das de chá ) de açúcar

Preparação
Num alguidar bata os ovos apenas para misturar as gemas e as claras, junta-lhe a farinha peneirada, o azeite e a aguardente. Bata durante uma hora aproximadamente, divida essa massa pelas formas ( formas redondas baixas, tipo forma de flans ) untadas com manteiga. Leve a cozer em forno pré-aquecido até crescerem e ficarem douradas, desenforme e deixe arrefecer sobre uma rede de cozinha. Entretanto prepare a calda batendo as 3 claras com o açúcar até espessar, regue as cavacas com esta calda e deixe secar separadas em cima de papel vegetal.

Bom Apetite

Feijõada de Sames " de bacalhau "

Os sames ou samos de bacalhau fazem parte da gastronomia dos antigos pescadores do bacalhau nos mares da Terra Nova. Os sames (bexiga natatória do bacalhau), assim como as línguas, as espinhas ou as caras eram salgados à parte e constituíam um dos muitos pitéus a que os pescadores tinham acesso durante o tempo de faina. Os sames que habitualmente se fazem em feijoada ou com grão-de-bico.Encontramos à venda em algumas mercearias populares das zonas piscatórias, nas cidades possivelmente encontrarão sames em casas especializadas na venda de bacalhau. Nestas ferias foi mais uma das minhas pesquisas em gastronomia, um prato desconhecido da gente mais nova, mas que vale a pena prová-lo e ali nas Gafanhas pode-se dizer que era um dos pratos mais tradicionais em tempos mais remotos.

Ingredientes
800 gramas de sames salgados
500 gramas de feijão branco
1 chouriço vermelho
1 morcela
1 cenoura
1 cebola media 
3 dentes de alho
1 folha de louro
2 tomates bem maduros
1/2 pimento vermelho
salsa
piripiri
cominhos
noz-moscada
azeite 
sal

Preparação

No dia antes ponha de molho os feijões e os sames a de - molhar em água. No dia ponha os feijões a cozer com um fio de azeite e temperado de sal, entretanto limpe os sames da pele escuras e alguma cartilagem que possa trazer. À parte, num tacho ( que leve a feijoada ) faça um refogado com azeite, cebola, pimento  e os alhos picados, a que se acrescentou a cenoura e o chouriço em rodelas, a folha de louro e os tomates pelados e  picados. Tempera-se com sal, piripiri, cominhos, noz-moscada, salsa e deixou-se apurar um pouco.
Acrescentam-se os sames de bacalhau, deixe cozer tudo ate os sames ficarem macios, junta-se os feijões já cozidos ( juntamente com a água de os cozer )e a morcela as rodelas. Deixa-se a apurar em fogo baixo, retificar os temperos servir com arroz branco.

Bom Apetite

domingo, 5 de dezembro de 2010

Rojões na Caldeira " Á moda da Gafanha"

Este foi mais um dos meus pecados nas minhas ferias, desta vez na casa da Tia Sandra (e que ricos estavam). Na receita de 16/01/10 eu falei sobre eles feitos ao lume de lenha muito lento e numa caldeira, depois podem acompanhar com o que queiram, ( eu comi-os mesmo com broa  a tirá-los da caldeira. hehehe ) arroz, batatas, grelos, etc. Não vou passar aqui nem os ingredientes nem a preparação pois essa receita já esta feita no dia 10 de Janeiro deste ano, basta ir a pagina deste dia e seguir a receita. Mas vou deixar aqui esta foto pois os olhos também comem.

Rojoes à moda da Gafanha

Bom Apetite

sábado, 4 de dezembro de 2010

Sopa de Feijão Inchado

Há pois é pessoal esta e sopinha que eu mais gosto, claro que não e a época pois não é a altura de ter feijão de debulhar. Mas indo eu de ferias á minha querida Gafanha do Carmo e comentando que gostaria de comer uma sopa de feijão inchado, não e que a minha querida vizinha e amiga "Ti Carola", vai a sua arca e da-me dois saquinhos com feijão inchado já debulhado. La fui eu fazer a minha rica sopinha e como gosto de partilhar tudo que sei aqui fica a minha receita. Para quem não sabe  chama-se feijão inchado ao feijão ainda verde e debulhado (antes de secar) da sua casca. E nestes dia de muito frio esta sopinha calha mesmo bem.

Ingredientes
250 gramas de feijão inchado
4 batatas ( descascadas e cortada aos pedaços
1 cenoura as rodelas
1 cebola
1 tomate bem maduro
150 gramas de entrecosto ( se for salgado e depois demolhado melhor)
1/2 frango
1/2 morcela
1 chouriço vermelho

preparação
Numa panela com água suficiente para a sopa, ponha a cebola cortada em quatro e o tomate picado sem pele juntamente com o entrecosto e o frango aos pedaços e tempere de sal ( ter atenção ao sal se o entrecosto for salgado ). Assim que levantar fervura acrescente o feijão, a cenoura e o chouriço vermelho inteiro e deixe cozer. Ao meio da cozedura ponha as batatas. cinco minutos antes de apagar o lume ponha a morcela inteira, no fim antes de servir retire o chouriço e a morcela e corte as rodelas grossas e acrescente a sopa.

Bom Apetite