Traductor

domingo, 22 de abril de 2012

Bolo de Laranja


Aqui esta a receita deste bolo de laranja que foi feito no dia em que a minha querida Titi Cardosa fez anos. Não tem nada de especial, e um bolo clássico, como todos os outros, farinha, ovos, açúcar e um aromatizante que neste caso e de laranja “raspa de casca de laranja seca”.  Para fazer este aromatizante e muito simples; com um ralador (tipo de queijo) rale as cascas de laranja para um prato e deixe que seque naturalmente ao ar livre. Não serve só para aromatizar bolos, mas também certas pratos que requerem este tipo de adorno, ou até mesmo em assados de carne de porco no forno ( experimente e vera que o resultado será uma maravilha). 
                               Raspa de casca de laranja já seca

 Bem vamos La a receita.

Ingredientes
2 chávenas (das de chá) de farinha com fermento
1 chávena (das de chá) de Açúcar
1 chávena (das de chá) de leite
½ chávena (das de chá) de raspa de casca de laranja
2 colheres das de sopa de manteiga
3 ovos

Preparação
Separe as claras dos ovos e bata e castelo; reserve. Numa tigela misture bem as gemas o açúcar e a manteiga até ficar bem homogênea, adicionam-lhe o leite e a raspa de laranja e volte a mexer bem. Misture este preparado com a farinha e envolva com as claras em castelo, verta para um forma ( de preferência de buraco) untada com manteiga e polvilhada com farinha e vai ao forno 180º durante 30 minutos (poderá variar o tempo conforme o tipo forno). Desenforne Aida morno.


Bom apetite  

sábado, 21 de abril de 2012

Alheira


A mais famosa das alheiras é a de Mirandela na região norte de Portugal, devido a sua qualidade foi  nomeada uma das 7 maravilhas da gastronomia de Portugal. A alheira é um enchido cujos os principais ingredientes podem ser carne e gordura de porco (recentemente), ou como as receitas mais antigas com carne de aves e azeite.

Segundo a historia, este enchido terá sido criado pelos Judeus que, em segredo, continuavam a guardar costumes da sua religião renegada. Como o judaísmo proíbe o consumo da carne de porco, contam as historias que teriam inventado um chouriço onde discretamente a carne de ave substituía a carne de porco, tradicional entre os cristãos. Desta forma, nas primeiras alheiras foram usadas várias carnes alternativas ao porco.

A ligação da alheira com os novos cristãos (Judeus convertidos) talvez não passe de uma lenda popular, pois não há factos que de credibilidade a esta historia. Parece mais certo que o seu aparecimento esteja ligado ao próprio ciclo de produção de fumeiros caseiros, ou simplesmente à necessidade de conservação das carnes dos diversos animais criados pelos antigos lavradores. 

Aqui vou-vos deixar uma receita que podem fazer em casa. Mas as alheiras sendo portuguesa a venda nos supermercados tem certificado de qualidade e origem, assim fica mais pratico do que fazê-las. Podemos ser-vilas  grelhada, ou assada em lume brando, acompanhada por batata cozida com um fio de azeite, e legumes da época variados ou ainda frita com batatas fritas e ovo estrelado e saladas de alface e tomate. Pode também acompanhar com grelos de couve. Sendo assim a dificuldade pode estar na preparação “frita, grelhada ou assada”. 


Frita

Depois de dar um golpe a toda a volta para cortar a pele, coloca-se na frigideira com óleo abundante e bem quente (o óleo tem que cobrir a alheira), a pele encolhe e solta-se, fica a fritar uns 3 minutos até ganhar um aspecto crocante. Frito sempre em óleo porque o azeite vai alterar o sabor.

Grelhada (foto)

Diz-se que este processo e a moda dos transmontanos, numa frigideira anti-aderente em lume médio, coloca-se a alheira sem nenhuma gordura, pois vai grelhando com a propina gordura que larga, com um palito vá picando a alheira, virando a meio tempo e continuando a picar quando necessário, nomeadamente quando vires. Ter atenção  para não te queimares, às vezes sai gordura em jacto.

Assada no forno

Embrulhar-las em papel de alumínio e levar ao forno a 180º. Primeiro dou-lhes uns furo com um palito em toda ela, quando estiver quase pronta abrir os embrulhos e ligar o grill do forno durante uns 2 minutos para ficarem um pouco estaladiça. Desta maneira não levam gordura nenhuma e a pele sai toda.

Ingredientes
1 kg de pão tipo caseiro
1 kg de carne de porco (entremeada, da cabeça e do espinhaço)
1kg de carne de galinha ( ou outras aves)
1 cabeça de alhos
2 colher (de sopa) de colorau
1 ramo de salsa
2 malaguetas (sé as quiser picantes)
2 folhas de louro
1/2 litro de azeite
tripas seca (de vaca) para enchidos
sal que baste

Estas quantidades podem dar para 1 a 3 dúzias de alheiras dependendo das características do pão.

Preparação
Num tacho grande coza todas as carnes e os ossos de porco em água temperada com sal a gosto (deixar cozer bem até obter um caldo gordo e forte). Junte  também os alhos descascados, a salsa e as folhas de louro (as malaguetas). À medida que as carnes forem ficando cozidas, retire-as; esmague a parte gorda do toucinho, podendo o couro ser cortado bem fino, desfie as carnes de aves. E retire as febras dos ossos. Quando as carnes estiverem todas preparadas amoleça o pão com o caldo já coando e bem quente, junte o azeite também quente e tape com um pano durante alguns minutos. desfazer bem o pão com uma colher de pau e, junte-lhe as carnes desfiadas e o colorau, mexendo bem, se o preparado estiver um pouco  rijo, junte-lhe um pouco mais de caldo, mas pouco, pois deve obter uma massa com alguma consistência. Retifique os temperos e encha as tripas enquanto o recheio está meio quente. Vá enchendo, com a enchedeira (uma espécie de funil) e atando as alheiras. à medida que se vai enchendo ( enchouriçar), as alheiras devem ser picadas com uma agulha para facilitar a saída do ar deixando a massa bem unida. Não se esqueça de as  atar bem nas pontas. Depois de prontas, devem ser lavadas em água quente e colocadas em varas no fumeiro durante duas semana aproximadamente ( Atualmente, esta receita utilizam-se mais  variedades de carne “vitela, peru e coelho”). Não tendo um fumeiro pode depois de prontas secá-las um pouco no forno a 120º com a porta aberta durante uns 30 minutos e depois pendurá-las junto ao extrator de fumos da cozinha para que sequem ao natural durante uma semana, vera que também ficam boas. Para preparar as tripas demo-lhe e lave muito bem as tripas secas (com sabão,  viradas do avesso). Corte-as à medida desejada (cerca de 20 cm) e aperte uma das extremidades com um fio.

Bom Apetite 

Outras maravilhas já publicadas



sábado, 14 de abril de 2012

Favas com entrecosto


As favas com chouriço, com entrecosto ou favas guisadas à Portuguesa são pratos tradicionais da gastronomia de Portuguesa. Sendo confeccionado com favas e diversos tipos de enchidos como o chouriço, o chouriço de vinho e a morcela. Existem diversas receitas, dependendo da região em que são confeccionadas, mas a base é semelhante. A partir de um refogado, as favas são guisadas na mesma água em que são cozidas as carnes. Para além das favas e dos enchidos, podem ser usados também o toucinho e o entrecosto, No fim da preparação, as favas são servidas cobertas com os enchidos e as restantes carnes.

Ingredientes
1 kg de favas
1kg de entrecosto
1 chouriço de carne
1 morcela
½ chávena de polpa de tomate
1 cebolas
2 dentes de alho
½ copo de vinho branco
2 folhas de louro
Azeite
Sal
Pimenta à gosto 

Preparação
Picar a cebolas e os alhos e colocar num tacho com azeite e as folhas de louro deixar estrugir até a cebola ficar translucida. Juntar o entrecosto cortado aos bocados e fritar até a carne mudar de cor. Refrescar com o vinho e deixar ferver até evaporar o álcool, acrescentar a polpa de tomate e os o enchidos inteiros, temperar de sal, mexer tudo e deixar cozinhar durante uns 30 minutos. Acrescentar um pouco de água, se achar necessário. Quando as carnes estiverem cozidas juntar as favas (tirar o olho da fava) e deixar cozer. Ratificar de sal e temperar de pimenta. Antes de servir retirar os enchidos e cortar as rodelas e voltar a por no tacho e deixar apurar bem e sirva.

Bom Apetite

Aqui deixo um outro prato com favas, muito tradicional nas Gafanhas



 

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Restaurante "Tatú"




Esta publicação não serve de uma referencia gastronômica, simplesmente fui ai comi e gostei. De vez em quando gosto de ir por ai com a família a comer fora de casa, portanto esta é a minha opinião pessoal.



Hoje voz trago uma receita um pouco diferente, até porque nesta época do ano de uma maneira geral todos sabemos o que fazer para estes dias de festas. Estamos na Páscoa  a mais importante festa do calendário cristão, também tempo de confraternização da família, marcando o fim do longo período de jejuns e abstinências da Quaresma, não é de surpreender que tantos dos costumes tradicionais desta época se prendam com o comer e o beber (principalmente carne). Na festa pascal, em Portugal, temos um grande receituário de pitéus. Desde o borrego ou o cabrito, assado ou ensopado, como o lombo de boi (boi da Páscoa), o galo ou a galinha ou quaisquer outros pratos genericamente de festança como, por exemplo, a chanfana e o leitão assado em parte na Beira Litoral.
Por isso em vez de uma receita, vou deixar uma sugestão de a onde se pode confraternizar, comer e beber bem em Andorra. Trata-se de um restaurante gerido por dois portugueses (um de Lisboa “Nadir”, outro de Ägueda “Carlos”) a onde a simplicidade e o bom gosto fazem deste lugar um bom sitio para passar um bom serão. O chefe Carlos ocupa-se da cozinha de onde sai vários tipos de pratos como; saladas, massas, assados e vários tipos de guarnições. Já o Nadir ocupa-se do serviço das mesas e da churrasqueira de onde saem uns bons nacos de carnes grelhadas. Dois bons anfitriões, que fazem do seu pequeno lugar um ponto de referencia na gastronomia do país. Por isso já sabem se vierem ao Pricipat de Andorra procurem por este restaurante e verão que vale a pena.
Saboreando uma boa Parrilhada à moda da Argentina
                                          Eu com o chefe Carlos

Gostei,Bom Apetite

P.S. Atualmente o Chefe Carlos, já não faz parte desta equipa. Ficando só o Sr. Nadir de anfitrião, mas com a mesma qualidade que o merece.

Aqui deicho agumas receitas para esta Páscoa

http://cozinha-do-zezao.blogspot.com/2011/05/perna-de-cabrito-no-forno_08.html

http://cozinha-do-zezao.blogspot.com/2012/01/capao-recheado-com-novilho-e-azeitonas.html

http://cozinha-do-zezao.blogspot.com/2010/03/chanfana.html

http://cozinha-do-zezao.blogspot.com/2010/03/leitao-bairrada.html

http://cozinha-do-zezao.blogspot.com/2010/02/carre-de-porco-zezao.html

Não é o boi da Páscoa, mas e uma boa receita

domingo, 1 de abril de 2012

Fusilli Bucati com molho de nozes

Com almôndegas

Fusilli "fuchile" "fussil" ou "refusil" é uma massa em forma helicoidal, com cerca de quatro centímetros de comprimento. O fusilli é idêntica à massa rotini, elas são muito semelhantes, pois ambas têm uma hélice, mas o rotini é maior e mais fino que o fusilli.
Neste contesto temos o fusilli lunghi Bucati, com uma forma de um colar de helicóides, todos os fusillis são um tipo de pasta  ideal para pratos com molhos e líquidos, que por causa da sua forma ajuda a reter mais substâncias liquidas. O fusilli antigamente feitor manualmente por mulheres com mãos experientes rapidamente em torcer um pedaço de espaguete em torno de uma agulha de tricô. O termo vem do "fuso" palavra fusilli que foi o instrumento usado pelas fiandeiras.
Sem almôndegas
Com esta massa vamos servi-la com um molho a base de nozes e enfeitado com almôndegas pequenas. Uma receita muito simples de fazer e muito boa, na qual pode ser só servida com o molho de nozes, pois a noz sendo um fruto seco e saníssima, carregadas com proteínas, vitaminas do complexo B e ácidos gordos ômega 3. É uma fruta altamente recomendado para pessoas com problemas de colesterol.

Ingredientes
400 gramas de fusilli bucati
200gramas de almôndegas mines (pequenas)
50 gramas de manteiga
2 dentes de alho picados
150 gramas de  nozes picadas
150 ml. de natas
75 gramas de queijo parmesão ralado
 Sal e pimentas a gosto

Preparação
Comece por fritar as almôndegas em azeite bem quente e reserve.Ponha os fusillis a cozer em água fervendo temperada com um pouco de sal (cozer segundo as indicações do pacote), entretanto numa sertã  derreta a manteiga e aloure um pouco os alhos, tempere de sal e pimenta a gosto. Sempre a mexer introduza as nozes e as natas e deixe apurar um pouco. Ponha o parmesão e misture com a massa já escorrida (pode usar qualquer tipo de massa). Enfeite com as almôndegas pequenas fritas  para dar um aspecto de nozes.

Bom Apetite