Traductor

terça-feira, 24 de junho de 2014

Férias 2014


Enquanto não estou tem muita receita gostosa ai pra traz..........................

Bom Apetite

domingo, 22 de junho de 2014

Favas "reedição"

A fava, uma planta da família das leguminosas, não trepadeira, que produz vagens grandes, dentro das quais se formam as sementes na quais são comestíveis. Sendo um alimento de grande importância em vários países, desde os povos mais antigos, tais como os Gregos, Egípcios e Romanos bem como em muitos países do Médio Oriente já a apreciavam bastante. É incerta sua origem, no entanto, admite-se que seja da região do Cáspio e do Norte da África. É uma planta perfeitamente adaptada a climas mediterrâneos, onde tem um papel preponderante na dieta, especialmente no início da Primavera, quando existe pouca diversidade nas hortas. É muito rica em proteínas e carboidratos, embora pobre em vitaminas. Em Portugal as favas com chouriço, com entrecosto ou favas guisadas à Portuguesa são pratos tradicionais da gastronomia de Portuguesa, variando de região para região conforme os costumes e tradições. Sendo assim aqui esta outra vez esta receita e muito popular na minha zona (Gafanhas). Sendo um comer com muita fonte de gordura, não deixa de ser um comer muito rico, na qual não se podem comer todos os dias. Este prato normalmente se faz na altura das batatas novas e das favas, bem vamos deixar de conversa e vamos la outra vez ao pecado.

Ingredientes

1 kg de favas ( descascadas )
500 gramas de batatas medias ( de preferência novas )

400 gramas de entrecosto de porco
400 gramas de entremeada de porco
1 morcela (facultativo)
1 bom chouriço
2 colheres ( das de sopa ) de banha de porco
Ramos de alhos verdes
Sal

Preparação
Comece descascar as batatas ( se forem novas raspe com a faca, pois ficam melhores ) de seguida ponha as batatas e as favas numa panela com água e sal a ferver.
Entretanto frite as carnes temperadas com sal ( já cortada aos pedaços pequenos ). Ponha ao lume uma pela com a banha e comece por fritar o entrecosto e a entremeada até ficarem bem douradinhos, de seguida acrescente o chouriço e a morcela as rodelas, de uma boa fritada a tudo mais dois ou três minutos antes de tirar pique por cima os ramos de alho e deixe apurar. Escorra as batatas e as favas, coloque numa travessa e verta por cima a fritada.


Bom Apetite

sábado, 21 de junho de 2014

Entrecosto à Califórnia "J.C. BBQ sauce"


Numa das minhas poucas conversas (via skipe) com o meu primo João Cardoso que esta nos States (U.S.A.), mais propriamente na Califórnia. Trocando algumas ideias de culinária, na qual esta receita me foi passada. Por essas bandas parece que é costume fazer o entrecosto “BBQ” desta maneira, ou seja, o celebre entrecosto com molho agridoce.

O Molho barbecue (ou "BBQ sauce", em Inglês ), trata-se de um genérico de uma variedade de outros molhos de sabor forte, habitualmente empregados em grelhados e outros pratos com base em carne assada. Sendo seu uso como um condimento para carne de porco e frango, sendo muito tradicional nos Estados Unidos.

O molho barbecue pode incluir ingredientes tanto doces como ácidos, sua preparação baseia-se tentar enfatizar o sabor típico dos grelhados. A receita varia de gosto para gosto, mas regra geral os ingredientes típicos incluem, tomate, vinagre, especiarias e adoçante, na qual este ultimo e fundamental. Esta receita um pouco demorada (para aqueles dias que se tem muito tempo), na qual faremos o molho juntamente com a confecção do entrecosto, deixando-o com aquele tipico sabor agridoce. Vale a pena, mesmo sendo demorado, pois no final o resultado será de uma verdadeira harmonia na hora de degustá-lo.


Ingredientes
1.5 kg de costela (entrecosto) de porco

 4 dentes de alhos
3 ou 4 malaguetas (piripiri)
1 colher (das de sopa ) de colorau
1 chávena (das de chá) de açúcar amarelo puro de cana

sal quanto baste
Vinagre quanto baste
Papel alumínio quanto baste












Preparação
Com os dentes de alho esmagados num pilão, junte o colorau e vinagre suficiente para fazer uma calda na qual esfregue em toda a peça de entrecosto. Tempere de sal e com a parte da carne para cima pique os malaguetas e espalhe por cima, cubra com o açúcar (fazendo como uma capa). Embrulhe em papel alumínio (de preferência grosso, sé não tiver embrulhe com varias folhas), coloque num tabuleiro com a parte da cobertura de açúcar virado para cima, vai ao forno entre 140ª a 150º durante umas 3 horas e meia. Passado esse vire o entrecosto (ainda embrulhando) e deixe mais ½ hora desta com o forno em potencia máxima, desligue e abra o papel por cima e desfrute deste verdadeiro pitéu.




Bom Apetite

sábado, 14 de junho de 2014

Talharins com coelho frito


Esta receita não tem nada de especial, até porque se trata de uma reedição (aqui), só tive que substituir os espaguetes por talharins. O resto é bem fácil, rápida, como já havia dito, “Serve para aqueles dias e que chegamos cansados com muita fome, mas não apetece fazer nada”. Trata-se de uma receita muito nutritiva ( por causa da massa ) e saborosa. Desta vez vamos incrementar com uma malagueta para ficar bem picante.



Ingredientes
1 coelho novo
300 gramas de talharins
3 dentes de alhos
1 ramo de salsa picada
1 folha de louro
1/2 copo de azeite
Malaguetas (piripiri)
Sal quanto baste

Preparação
Corte o coelho aos troços ( pelas juntas ) e tempere de sal, os alhos picados, o louro partido e as malaguetas partidas ao meio, acrescente o azeite e deixe ficar nesta marinada pelo menos 30 minutos para que tome gosto. Coza os talharins à “La dente” ( numa panela com água a ferver temperada de sal e um dente de alho, verta um fio de azeite e coza os talharins na qual deve ficar cozidos mas rijos, retire do lume e deixe a escorrer ). Numa frigideira grande frite o coelho no próprio azeite da marinada, quando estiver o coelho frito retire, com o azeite e fora do lume retire os alhos queimados e salpique com a salsa picada, verta por cima dos talharins e misture e sirva com o coelho por cima.


Bom Apetite

domingo, 8 de junho de 2014

Cachopo de Pavo (peru)

Seguindo a teoria do meu ultimo post da receita do Bife a milanesa, por aqui também existem umas variantes muito engraçadas, trata-se dos libritos ( já publicados aqui ) e o cachopo. O cachopo prato típico das Astúrias, onde existe uma variante deste prato muito original. A palavra Cachopo em espanhol tem como a referir-se a uma arvore seca e oca no tronco, daí talvez chamar este panado de carne recheado de "cachopo".

Este prato típico da cozinha asturiana, feito com dois grandes filés de carne e incluindo presunto e queijo, depois de ter sido revestido com pão ralado e ovo, na qual depois de frito deve ser consumido ainda quente e é geralmente servido com batatas, pimentões ou cogumelos.

Sendo assim desde desta formula original surgiram Cachopos com varias variantes, como o de peixe, frango, peru, carne de porco. Sem falar nos recheios que também variam desde com frutos do mar, carne seca, cogumelos, pimentão, queijo, aspargos, etc. Por aqui até existe uma espécie de confraria a este prato na qual na publicação de guias e caminhadas aos Cachopos, destaca os restaurantes onde são servidos melhor. Aqui fica a minha sugestão um cachopo simples de peru com ingredientes básicos, mas querendo vocês podem incrementar a vossa maneira, pois cozinhar também é uma arte.



Ingredientes
2 bifes grandes de peru (200 gramas de carne cada)
8 fatias de bacon sem coirato
8 fatias de queijo cheddar (pode usar outro da vossa preferência)
3 ovos
Farinha de trigo quanto baste
Pão ralado quanto baste
Sal
Pimenta



















Preparação
Abrimos o bife ao meio (como um livro) com a faca, temperamos de sal e pimenta a gosto. Num dos lados coloca-se 2 fatias de bacon, por cima 3 de queijo e completam-se com mais 2 de bacon, fecha-se com a outra parte e passa-se pela farinha de trigo, os ovos batidos e por fim o pão ralado, frita-se em óleo bem quente. Deixe secar um pouco e sirva ainda quente.


Bom apetite

sábado, 7 de junho de 2014

Bife à Milanesa

Hoje tem comidinha caipira, isso mesmo trata-se do bife à milanesa, uma espécie de um panado com origem na cozinha que se tornou popular na maioria dos países em especial na America latina (Brasil). Feito com carne de vitela na qual são cortados em bifes temperados e fritos em oleo quente após serem empanados com ovos batidos e farinha de pão ralado. Com a denominação usada na Itália e também noutros países a tradicional costeleta “cotoletta alla milanese” de onde nasceu esta variante na qual originalmente era feita com o próprio osso da costeleta e frita em manteiga em vez de óleo. Em Portugal estes bifes carinhosamente chamados de "panados" ou “panadinhos”, tradicionalmente feitos com carne de porco, também podem ser feitos com carne de vaca normalmente cortado em fatias pequenas e finas, como para pregos ou na forma de bifanas. O tempero pode variar muito sendo o básico de apenas sal e pimenta, assim como alho picado, sumo de limão, piripiri, etc. Passados por ovo e pão ralado antes de serem fritos, mas também podem ser passados por farinha de trigo na qual lhe da um crosta mais crocante, inclusive podem igualmente misturar-se alguns condimentos na farinha ou no pão ralado, assim como salsa picada.

Em alguns países da Europa e médio Oriente, assim como nos EUA estes panados são feitos com carne de vitela, conhecidos com o nome de “Wiener Schnitzel”, ou simplesmente “Schnitzel”, Tanto os bifes à milanesa,os panados ou os schnitzel podem ser consumidos como uma sanduíche ou como um prato principal duma refeição, 

A costeleta à milanesa (cotoletta alla milanese) de onde saiu o bife provavelmente surgiu na própria cidade de Milão com origens gregas. Certos relatos mais antigos desse prato são do escritor italiano Pietro Verri que, em seu livro “Storia di Milano”, refere um documento de 1148, segundo o qual em um almoço na basílica de Santo Ambrósio e Milão, fora servido um prato de “lombos cum panitio” (costeleta de vitela panada).

No entanto, a difusão do bife à milanesa pelo mundo é atribuída aos austríacos, o Schntzel muito parecido ao bife à milanesa, ainda hoje existe uma disputa sobre qual destas iguarias será a original.

Ingredientes
800 gramas de bifes de vitela bem finos
3 dentes de alhos bem picados
Sumo de um limão
Pimenta a gosto
Sal quanto baste
3 ovos
Pão ralado quanto baste
Farinha de trigo quanto baste
Óleo para fritar

Preparação

Tempere os bifes com os alhos, sumo de limão, sal e pimenta a gosto e deixe marinar por uma hora. Comece por passar os bifes primeiro pela farinha de trigo, logo nos ovos batidos e por fim pão ralado. Feito esta operação frite-os em óleo bem quente de ambos os lados e deixe repousar sobre papel pardo para retirar o excesso de óleo. Sirva em sandes ou como prato acompanhado com arroz e feijão.


Bom Apetite

Empanadillas

Empanadillas (espanhol) é um pastel geralmente feito com uma massa recheada com vários ingredientes, normalmente frito em óleo quente ou no forno. O seu exterior é textura crocante e contrasta com a suavidade do seu interior, sendo semelhante ao utilizado nos bolinhos de massa. Muito servido em Espanha nos bares ainda quente como uma "tapa" (nome que sé dá aos petiscos nos bares em Espanha).
A empanadilla geralmente salgada com recheios que variam desde carne picada geralmente com alguns vegetais crus ou em conserva, ovo cozido picado,  picada de peixes como atum ou bonito. Nos casos das doces, pode ser batata doce, nozes, marmelo, etc. Uma das mais clássicas na cozinha espanhola na região das Astúrias e a recheada com uma mistura de atum ou bonito (um peixe igual ao atum) picado em molho de tomate e ovo picado.

A massa depois de feita e transformada em rodilhas com um diâmetro de 12 cm, geralmente fechada e selada com ajuda de um molde ou com um garfo, que no final oferece uma forma característica igual aos rissóis ou pastel de fritar.

Ingredientes 
Para o recheio
 600 g de atum em lata ao natural
1 pimentão vermelho
1 cebola
1 dente de alho
 2 ovos cozidos
1 ovo batido
Pimenta a gosto
½ copo de Polpa de tomate
Azeite
Sal
Salsa

Para a massa
 250 g de farinha
1 colher de sopa de fermento de padeiro
100 ml de água
1 colher de chá de páprica
Azeite
Sal

Preparação
Massa
Desfazer o fermento em uma tigela grande com água morna e misture bem. Adicione a farinha, uma pitada de sal e um pouco de azeite. Vire para a pedra da cozinha (banca) e  amasse bem com as mãos. Volte a colocar na tigela, cubra e deixe descansar por cerca de 1 hora.


Recheio
Num tacho com um pouco de azeite adicione os alhos, a cebola e o pimentão picados e deixe estrugir um pouco, tempere de sal e pimenta a gosto e deixe um pouco mais para tomar gosto. Misture o atum desfeito com a salsa picada e os ovos cozidos  picados finamente, coloque a polpa de tomate e um pouco de água. Retifique os temperos e deixe cozinhar por uns 5 minutos.


Montagem
Com um copo largo ou um molde (redondo) devida a massa em porções iguais, coloque no centro um pouco do preparado do recheio, feche. Num tabuleiro de ir ao forno coloque uma folha de papel vegetal e espalhe as empanadillas pinceladas com ovo batido dos dois lados, Leve ao forno pré-aquecido a 180º por 15 minutos. Sirva simples como entrada ou acompanhado com arroz branco.


Bom Apetite

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Salmão na chapa com salteado de batatas e couve flor


Ultimamente tenho andado um pouco sem aparecer por aqui, pois por esses dias tenho tido muito que fazer e dedicado um pouco mais a família, especialmente aos fins de semana que a minha cara metade tem podido estar por casa sem trabalhar. Mas também não voz quer amassar com as minha lamurias, portanto vamos logo a receita de hoje. Depois do Bacalhau o salmão e o peixe que mais gosto. A cor vermelha do salmão é devido a um pigmento, o salmão é basicamente um peixe branco, o pigmento vermelho é feito através das algas e dos organismos unicelulares que são ingeridos. O salmão adulto é alimento de focas, ursos, tubarões, baleias e seres humanos. Como fonte alimentar para os humanos, destaca-se por ter alto teor de ômega 3.Os japoneses são seus maiores apreciadores, na qual é muito conhecido como o peixe do sushi. O salmão pode ser preparado de varias maneiras, fatiado cru como sashimi, defumado, grelhado, assado e ensopado. Trata-se de um peixe de sabor riquíssimo e muito versátil.


Ingredientes
4 postas de salmão

6 batatas grandes
½ couve flor verde
2 dentes
100 gramas de tiras de bacon fumado

1 limão
Azeite
Sal
Pimenta

Alecrim

Preparação
Tempere as postas do salmão com sal, pimenta, limão e os alhos bem picadinhos, regue com um bom fio de azeite e deixe repousar 1 hora pelo menos para apanhar gosto. 
Entretanto coza as batatas com a pele em água temperada com sal, estando cozidas escorra da água e reserve. Coza a couve flor em pencas em água temperada de sal deixando um pouco rixas. Aqueça uma chapa de grelhar e grelhe ai o salmão com um pouco do azeite do tempero, retire as peles as batatas e parta em pedaços iguais. Numa frigideira grande com um fio de azeite aqueça as tiras de bacon e salteia as batas com as pencas da couve flor. Sirva o salmão com o salteado de batas e couve flor polvilhado com um pouco mais de alecrim. 


Bom Apetite