Traductor

sábado, 23 de agosto de 2014

Natas do céu "reedição"

Bem este e mais um dia de verão em Andorra (Chuva, frio e vento, sol só de vez em quando) e tem que ser bem aproveitados. Assim como o dia esta meio amargo resolvi adoça-lo com uma das sobremesas mais clássicas de Portugal, sobretudo da região de Aveiro, possivelmente uma herança dos doces conventuais, como quase todos os doces portugueses.
 As “Natas do Céu” um doce que sé vê muito na maior parte dos restaurantes da zona. Com um paladar inconfundível e uma doçura espetacular esta maravilha de doce até por acaso não é muito complicada de fazer, com uma variante enorme de receitas (com folhas de gelatinas, leite condensado, sem natas, etc.) eu prefiro a mais simples de todas, sem modificações. Afinal um doce é um doce e tem que sé saborear na sua plenitude.


Ingredientes
400 ml de natas frescas
8 colheres de açúcar
8 ovos
10 colheres ( das de sopa ) de açúcar bem cheias
10 colheres ( das de sopa ) de água
bolachas Maria torrada quanto baste


Preparação
Comece por preparar um doce de ovos, separe as 8 gemas dos ovos, reserve. Leve as 10 colheres de açúcar bem cheias e as 10 colheres de água num tacho em lume o lume baixo e mexendo sempre até virar ponto perola, retira-se imediatamente do lume e mexendo sempre para não ganhar grumos adiciona-se as gemas passadas por uma peneira, deixa-se arrefecer. De seguida batem-se as 10 claras em castelo, a parte batem-se as natas até ficarem duras, junta-se as outras 8 colheres de açúcar e mistura-se muito lentamente com as claras até obter uma mistura homogênea. Em taças pequenas ponha uma camada de (desta o-petei por por as bolachas trituradas só por baixo)  bolachas trituradas, outra da mistura, outra de bolachas outra de mistura e por cima o doce de ovos já arrefecido. Querendo pode adicionar umas raspas de nozes ou amêndoas por cima.


Bom Apetite

sábado, 16 de agosto de 2014

Restaurante Novo Ambiente "Alírio das Caldeiradas"

  • Esta publicação não serve de uma referencia gastronômica, simplesmente fui ai comi e gostei. De vez em quando gosto de ir por ai com a família a comer fora de casa, portanto esta é a minha opinião.





A praia da Vagueira pertencente a freguesia de Gafanha da Boa Hora, concelho de Vagos, distrito de Aveiro. e tido como uma das praias com uma opção fantástica para ir a banhos, mostra-nos também o mais tradicional da arte xávega ( artes da pesca costeira com barcos movidos a ramos) e com um extenso areal protegido por zonas rochosas que impedem o deslizamento de areias. Com uma vegetação e paisagem de dunas e pequenas casas de pescadores ai trabalham no dia a dia na faina do mar



Aqui na Praia da Vagueira com uma vasta opção de gastronomia, vamos encontrar um restaurante que já faz 27 anos de historia juntamente com a historia da região. Sim foi nos anos 80 que o Sr. Alírio habituando as ondas do mar na pesca marítima resolve estabelecer-se na praia da Vagueira onde abriu um Restaurante no principio conhecido apenas como "Alírio das caldeiradas" e ainda bem que o fez pois a longo destes anos tem contribuído para felicidade de alguns comensais que por ali passam. O espaço já sofreu varias modificações, mas sempre com bom gosto e simplicidade e com uma cozinha estilo caseira onde sé confecciona vários pratos tanto de peixe, mariscos ou carnes, na qual é de chupar os dedos e isso sem falar das sobremesas. Na próxima visita a Praia da Vagueira quer faça sol ou chuva não deixe de passar no restaurante Novo Ambiente "Alírio das Caldeiradas" e desfrutar dos pitéus que por ali sé preparam.





Bom Apetite

sábado, 9 de agosto de 2014

Punheta de Bacalhau à moda da Gafanha

No verão predomina as saladas e aqui esta uma salada de bacalhau com um nome um pouco maroto “Punheta de bacalhau”. Deixe de pensar no campo sexual, a semelhança esta no facto de as lascas de bacalhau salgado serem trabalhadas com a mão em água a correr, sendo espremido até que a maioria do sal desapareça, com a atenção de que deve ficar num ponto em que o bacalhau, sem ter perdido totalmente o sal, possa ser consumido. Atualmente servido em muitos restaurantes com um nome mais discreto, “Carpaccio de Bacalhau” uma copia barata da nossa “Punheta”, um termo puramente português do vocabulário culinário.
Em tempos mais remotos este petisco era muito servido nas tascas, ou nas antigas mercearias, como merenda dos fins de tarde para acompanhar um bom vinho. Tendo como origem possivelmente na época medieval, como os viajantes não tinham à disposição muitos recursos para se alimentarem, além de peixe seco e um ou outro ingrediente esporádico, na qual faziam a combinação do bacalhau desfiado com azeite, cebola, alho, azeitonas, broa migada, tomate, na qual aromatizavam com pimenta do Reino, entre outros. Considerada como uma refeição sem mérito, vulgar, comida de pobres.
Em muitas regiões de Portugal este petisco e feito com bacalhau salgado seco na qual debaixo da água fria sempre a correr e desfiado ate ficar no ponto de sal, depois de bem espremido para retirar o excesso de água vai a uma travessa para juntar-lhe os restantes ingredientes. Já em terras das Gafanhas era preparado com um bacalhau corrente (ideal para pratos em que se tem que desfazer o bacalhau) salgado, na qual era grelhado nas brasas e depois desfiado em água fria a correr, depois de bem escorrido adicionava-se cebolas as rodelas e azeitona, temperava-se com azeite, pimenta e salsa picada e juntava-lhe umas batatas miúdas cozidas com a pele em bastante sal. Aqui esta um bom repasto na qual era levado para as jornaleiras (mulheres que trabalhavam no campo a troco de uma paga) na hora da merenda.


Ingredientes
1 bacalhau corrente (entre 500 gramas a 1 quilo), neste caso usei um rabo de bacalhau graúdo muito usado também para estes afins.
1 cebola grande
1 quilo de batatas pequenas
1 pezinho de salsa
2 ovos cozidos
Azeite quanto baste
Azeitonas quanto bastem
Sal grosso marinho quanto baste

Pimenta a gosto

Preparação
Sendo um prato que sé serve frio, tipo salada, comece por cozer as batatas (depois de bem lavadas) com a pele em bastante sal grosso, depois de cozidas escorra da água e deixe arrefecer dentro do próprio tacho aonde as cozeu. Grelhe o bacalhau e coloque debaixo de água fria na qual sé vai desfiando, findo esse processo escorra bem a água e transfira para uma travessa funda, adiciona-lhe a cebola as rodelas e as azeitonas, regue com bastante azeite e tempere de pimenta a gosto, junta-lhe as batatas e misture dando uma ou duas volta, salpique com salas e enfeite com os ovos cozidos.


 Bom apetite

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Melão com chouriço crocante

Chegou o Verão e com ele a abundância do melão, nos dias quentes e radiosos de verão apetecem frutos deliciosamente refrescantes. O melão fruto por excelência desta época e dos mais frescos e ligeiros ganhando lugar de privilegio as mesa dos portugueses, transformado em sumos, batidos, sopas, gelados ou em saladas e cocktails. Alem do seu cativante sabor, o melão devido as suas propriedades e benéfico para a saúde com as suas vitaminas e minerais. Fruto ideal para diabéticos e hipertensos, recomendado para casos de gota, reumatismo, colite, artrite, sendo um bom aliado para as dietas de perda de peso, pois ajuda a desinchar o corpo, a manter um ventre liso e por ter poucas calorias ( 27 em cada 100 gramas), não engorda e até ajuda a perder peso.

Alem de tudo e um fruto muito saboroso e pode ser consumido a qualquer hora do dia, ao pequeno-almoço ou lanche, como entrada ou sobremesa, podendo acrescentar em saladas ou fazer compotas, sumos, etc. Tenha sempre atenção na hora de escolher um melão e opte sempre pelo mais pesado, assim como a sua casca que deve ser firme e sem rachas ou partes moles, que ceda nas extremidades, pois e um sinal que esta maduro. Conservar sempre em lugar fresco e arejado, não deve ser conservado no frigorífico, pois isso pode alterar o seu sabor, exceção se estiver muito maduro ou aberto, tendo o cuidado de sempre cobri-lo com película aderente.


Ingredientes
1 melão
1 chouriço de carne
Agriões quanto baste
6 colheres (das de sopa) de azeite
2 colheres (das de sopa) de vinagre balsâmico
1 colher (das de chá) de mel
1 raminho de coentros frescos picados
1 malagueta vermelha (opção)
Sal e pimenta a gosto

Preparação
Corte o melão em fatias grossas e retire a casca e as sementes, reserve. Pique o chouriço muito finamente e numa frigideira antiaderente frite os trocitos de chouriço até ficarem crocantes, escorra bem da gordura e reserve. Arranje os agriões e disponha numa travessa ou em pratos individuais, coloque por cima as fatias de melão e polvilhe com o chouriço crocante e coentros picados, adicione a malagueta (no caso de querer picante) bem picadinha. Regue com um vinagrete feito com os restantes ingredientes (numa tigela misture o mel com o vinagre, sal e pimenta a gosto, juntando o azeite em fio e mexendo sempre) e sirva de entrada ou 1º prato.

Bom apetite