Traductor

domingo, 27 de setembro de 2015

Rojões das sainhas


 Tenho pena que certas tradições sé estejam perdendo com o tempo, assim é a receita de hoje, não será nada boa para a saúde, mas enfim sabem tão bem. É uma daquelas receitas que se devem fazer somente uma vez por ano, uma receita ou um prato que sé fazia por todas Gafanhas, quando os dias eram mais frios, entre Dezembro/Janeiro, começavam as matanças do porco e então era frequente a confecção deste prato. Como todas as receitas típicas esta era feita por todo Portugal variando a maneira de fazer conforme a região.

O redenho ou redanho e a gordura que esta a volta dos intestinos, fígado e rins do porco em forma de rama. Quando da matança do porco as tripas eram aproveitadas para fazer enchidos, assim na altura da limpeza retirava-se a gordura correndo pela tripa na qual saia as sainhas ( em termos mais antigos riçol, palavra ainda usado no Alentejo) que depois de cortada em pequenos pedaços tem uma aparência de uma saia com folhes. A maior parte desta gordura devido a sua qualidade era usada para enchidos ou derreter para fazer unto (Banha derretida). Em suma o redenho será a gordura que sustenta as vísceras do animal (neste caso o porco) com a forma de uma rede, também conhecido por tiez, véu das tripas ou renda, usado na culinária para envolver carnes mais secas para a sua preparação. Já as ditas sainhas são as gorduras que estão agarradas ao intestino delgado envolvido pelo dito redenho.

Nas Gafanhas (centro norte de Portugal), chamam-lhes rojões das sainhas, no Alentejo (sul de Portugal) torresmos de riçol e em Chaves (norte de Portugal) rojão do redanho, assim seja as Sainhas, o Riçol e Redanho, não importa o nome, mas sim que são uma delicia depois de feitos e podem ser degustado simplesmente com broa ou uns grelos com batata cozida, e mesmo depois de frios continuam sendo um bom pitéu.

Ingredientes

Redenho quanto baste

Sal grosso








Preparação
Lave bem o redenho em água fria e deixe repousar em água fria e limpa cerca de 30 minutos, retire da água e corte em pedaços mais ou menos do mesmo tamanho, salpique com um pouco de sal grosso (muito pouco, pois devido ao seu tempo de confecção ficaram temperados).
Num tacho de ferro ou um tacho de fundo grosso em lume baixo, colocar o redenho cortado em adição de qualquer gordura, pois passado pouco tempo o suco que largar será o suficiente par a sua confecção. Durante toda a sua confecção que será entre 90 a 120 minutos ir mexendo sempre com uma colher de pau, assim que estiverem lourinhos apague o lume e retire os rojões. Sirva com uns bons grelos e batatas cozidas regado com um pouco de pingue (gordura derretida que sobrou no tacho) de os fazer.
















P.S.
A gordura que sobrou chamada de unto ou banha depois de arrefecida pode ser posta num pote e guardada no frigorifico, na qual mais tarde pode ser utilizada para confeccionar pratos que necessitem de gordura.


Bom Apetite

sábado, 19 de setembro de 2015

Trouxas de couve com carne

Há coisas que ficam na memória, que noz deixa saudades e quando as vemos ou comemos noz faz recuar em ouros tempos. É esta e uma delas, a minha mãe preparava umas trouxinhas de couve lombarda com carne que eram uma maravilha. Querendo recuar um pouco meus tempos de juventude resolvi fazer, quanto mais não seja para agradecer a minha mãe o muito que aprendi com ela.

Ingredientes
1 couve lombarda
200 gramas de carne de porco picada
200 gramas de carne de vaca picada
40 gramas de azeitonas pretas sem caroço
1 colher (das de sopa) de soja liquida
1 tomate bem maduro
1 cebola
1 cenoura
Azeite quanto baste
Sal e pimenta a gosto


Preparação
Separe as folhas da couve e apare os talos, escalde-as em água a ferver temperada de sal uns 5 minutos e deixe esfriar.
Misture as duas carnes com a soja e leve ao lume médio juntamente com o tomate triturado em um tacho com o fundo coberto de azeite. Refogue durante 5 minutos, tempere de sal e pimenta a gosto e adiciona-lhe as azeitonas cortadas, tape e deixe cozinhar em lume baixo uns 15 minutos.
Sobreponha as folhas de couve duas a duas e recheie com o preparado de carne, embrulhe em forma de trouxas e prenda com um palito. Num tacho grande que caiba as trouxas, com um pouco de azeite aloure a cebola cortada em tiras bem finas juntamente com a cenoura ralada e introduza as trouxas preparadas. Tape o tacho e deixe estufar sobre lume bem baixo durante uns 25 minutos. Sirva com arroz basmati (existe a venda já esta mistura a venda, siga as instruções da embalagem ou veja Aqui como preparar o arroz) misturado com arroz selvagem.

Bom Apetite


sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Bacalhau de Cebolada

Muito já falei do “Fiel amigo” e muito teria para falar, e como costumo dizer os pratos mais toscanos são os mais ricos, tanto em historia como em sabor. Este é o caso do Bacalhau de Cebolada um prato típico de Ponte de Lima, muito tradicional antigamente nas feiras quinzenais como petisco, logo as tabernas e os restaurantes da vila começaram a servir em seus menus diários. Neste salto qualitativo da feira para os cardápios este prato típico de Ponte de Lima afirma a sua antiguidade como um dos pratos mais tradicionais de Portugal. Hoje em dia é um prato obrigatório numa das feiras mais antigas de Portugal (em Ponte de Lima), o Fim de Semana do “Bacalhau de Cebolada” pretende fortalecer e manter esta tradição como iguaria gastronômica, oferecendo a todos que por lá passam oportunidade de degustar o sabor autêntico, saborosamente envolvido por um molho divinal que dá à cebolada um gosto inconfundível.

Ingredientes
4 boas postas de bacalhau (salgado e previamente demolhado)
3 cebolas em rodelas grossas
½ pimento vermelho em tiras
½ pimento verde em tiras
1 chouriço de carne as rodelas (facultativo)                       Com batatas fritas

800 gramas de batatas as rodelas finas
2 folhas de louros
6 dentes de alhos
1 malagueta
Azeite quanto baste
Sal quanto baste



                                                                           

Preparação
comece por untar as postas de bacalhau com um pouco de azeite e embrulhe individualmente em papel alumínio, leve ao forno pré-aquecido 200º durante cerca de 10 minutos. Entretanto leve ao lume médio uma sertã com o fundo coberto de azeite e os alhos esmagados, adicione as cebolas, as batatas, os pimentos, o chouriço, as folhas de louros e a malagueta inteira e tempere de sal, faça uma cebolada e deixe alourar. Num tabuleiro de ir ao forno (sé for de barro melhor) coloque as postas de bacalhau (retiradas dos embrulhos de papel alumino) e cubra com a cebolada, leve novamente ao forno 180º por mais uns 15 minutos. Sirva em travessa ou em prato individual. 

Querendo pode fazer a cebolada sem as batatas, servindo no fim com as batas fritas as rodelas na qual também fica ótimo.


Bom Apetite

sábado, 12 de setembro de 2015

Pudim de Coco e Manga

Hoje deu-me para uma coisa doce, mesmo não sendo o meu forte, as vezes gosto de aventurar-me por estes lados. Até por que já lá vão uns 4 meses que publiquei algo doce, por isso tá na hora de adoçar a boca ao pessoal.
Desta com coco, um fruto seco que na qual alem de ser amplamente utilizada na alimentação, mas também como material de artesanato, e o mais importante na medicina natural, além disso, o fruto contém cálcio, magnésio, fósforo, ferro, sódio, selênio, iodo, zinco, flúor, manganês e outros elementos. O coco quando seco do qual geralmente é recomendado em dietas anti estresse, também como auxiliar no combate à osteoporose, para a saúde cardiovascular, queima gorduras, reduz o colesterol, regula a tiroide e ajuda na retenção de líquidos. Apesar de ser rico em gordura insaturada, também conhecida como gordura boa, uma única unidade de coco seco contém até 600 calorias. Quando consumida em excesso, seus efeitos são contrários, estimula o ganho de peso e o acúmulo de gordura abdominal. A dica certa é cortar o coco em oito partes e incorporar uma no menu diário. Pode ser batido com sucos, consumido com cereais com iogurte ou até em sobremesas.

Ingredientes
4 colheres (das de sopa) de coco ralado
4 colheres (das de sopa) de açúcar
2 mangas
4 dl de natas
4 ovos




Preparação
Descascar as mangas, retirar o caroço e triturar. Reserve uma parte da manga triturada e com resto misturar com os ovos, o coco, as natas e o açúcar. Bater com uma batedora até  ficar bem ligado e deixar repousar uns minutos para que perda o ar gerado ao bater. Colocar a mistura em molde de silicone com tampa e levar ao forno preaquecido a 180º em banho Maria durante uns 40 minutos ou até que coza. Retire do forno e deixe arrefecer, desenforme, enfeite com o restante triturado da manga, sirva bem frio.


Bom Apetite

sábado, 5 de setembro de 2015

Talharins à Marinheiro

No fim de semana passado não ouve publicação (como todos sabem isto para mim é um passatempo e não um modo de vida) e tudo por uma boa causa. Fui de fim de semana até a praia, mais precisamente em Lloret de Mar. E porque esta praia?


Pois ai estava o meu mano mais novo com a família de férias e já faz mais 3 anos que não estávamos juntos, assim há que unir o útil ao agradável. Lloret de Mar considerada a capital da Costa Brava com uma vasta gastronomia e tradições, rica em costumes locais, sem falar de um bom leque de cozinheiros e restaurantes que fizeram de Lloret de Mar um centro gastronômico de 1ª ordem com cozinhas inovadoras, tradicionais, multiculturais e internacionais. A origem da cozinhas Catalã remota desde da época romana e conta com muitas influencias mediterrânicas, provençais, árabes e judaica. Graças a sua história com tradições e um clima privilegiado, da sua excelente situação geográfica a cozinha catalã é considerada como uma das mais saudáveis do mundo, conhecida mundialmente como “La dieta mediterrânea”.

No princípio pensei em ir a um restaurante ou mais, comer para depois fazer um a publicação na lacuna “Comer fora de casa”, tarefa difícil de vido a grande oferta de qualidade. Por isso e sabendo da forte ligação de Lloret de Mar com produtos marítimos (mariscos, peixes, etc.) resolvi fazer um prato que faz recordar este lugar. Durante a minha visita constatei em vários restaurantes a oferta de
Fideuá de Marisco , sendo assim resolvi elaborar um prato com estas características.

Ingredientes
400 gramas de gambás frescas
500 gramas de mexilhões frescos
500 gramas de tamboril fresco (rabo)
500 gramas de amêijoas frescas
300 gramas de lombos de lagosta prensado ( delicias do mar)
400 gramas de talharins ou espaguetes
1 limão
1 pimento verde em cubinhos
1 cebola bem picada
4 dentes de alho esmagados sem casca
2 tomates bem maduros
1 copo de polpa de tomate
1 copo de vinho branco
1 cubo de marisco (knorr)
1 folha de louro
1 ramo pequeno de salsa
1 colher (das de sopa) de Manjericão fresco
Sal e pimenta a gosto
Azeite quanto baste

Preparação

Retire as cabeças das gambás, descasque-as e deixe o rabo. Raspe as conchas e retire as barbas dos mexilhões, deixe os mexilhões em um só lado das conchas. deixe as amêijoas em um pouco de água com sal para que largue a areia. Tempere o tamboril com sal e sumo do limão e deixe repousar.
Num tacho largo com o fundo coberto de azeite em lume médio, coloque o pimento, a cebola e os alhos, deixe refogar um pouco até a cebola ficar mole e adiciona-lhe os tomates maduros em pedaços e a polpa de tomate. Quando retornar fervura, regue com o vinho branco e junte o cubo de caldo de marisco, a folha de louro e o ramo de salsa, deixe apurar durante 30 minutos em lume bem baixo. Levante para lume médio e introduza o tamboril em pequenas postas e logo que levantar fervura coloque as gambas e retifique o sal e tempere de pimenta moída Ana altura. Deixe cozer cerca de 8 a 10 minutos e introduza os mexilhões e as amêijoas, tape e deixe-as abrir. Junte os lombos de lagosta cortados e apague o lume, retifique temperos e deixe repousar uns minutos com o tacho tapado. Sirva sobre talharins escorridos, cozidos em abundante água temperada com sal. Salpique com manjericão picado.


Bom Apetite