Traductor

domingo, 24 de abril de 2016

Arroz Negro

O arroz negro ou negre em valenciano é um prato de arroz seco feito em uma paella ou sertã grande, relatos mais antigos falam de sua confecção em panelas de barro, na qual seu sabor e aparência ficam muito diferente de os arrozes de hoje. Preparado principalmente com lulas ou chocos na qual sé retira umas bolsa de tintas que estão nas barbas do molusco, tinta essa que sé adiciona ao arroz em sua preparação, dando assim sua cor negra.
Um prato típico de Palafrugell um município de Girona na região de Catalunha, assim como em toda a costa da Catalunha. É um prato que também aparece em muitas zonas do mediterrâneo, como em Itália donde sé pode degustar o “Riso Nero a al Fiorentina” ou mesmo “Riso al Nero di seppia”.
O arroz é servido na paellera ou recipiente no qual arroz foi cozido. Serve-se acabado de fazer com uma taça com maionese de aioli sobre a mesa para que os comensais misturar com a doze de arroz em seu prato.

Ingredientes
300 gramas de arroz
500 gramas de lulas
4 camarões grandes
½ litro de fumet
8 gramas de tinta de chocos (vende-se em bolsinhas de 4 gramas)
1/3 de um copo de vinho branco
1 cebola media
3 dentes de alhos
Azeite quanto baste
Sal e pimenta a gosto

Preparação
Prepare um fumet tal e qual como indica na receita de Arroz de tamboril, passe por um coador e deixe esfriar.
Lave as lulas em água fria e limpa-lhe da película que as cobre e as tripas. retire os olhos e o pico córneo da cabeça, corte em pedaços a lula e deixe em água fria. Fure as bolsas de tinta e verta para uma taça e dilua com o vinho branco.
Em uma Paellera (pode usar uma sertã grande) com azeite, refogue a cebola, os alhos e o pimento picados até a cebola ficar translucida e veta a tinta diluída, deixe levantar fervura e adiciona-lhe as lulas cortadas e os camarões inteiros, tempere de sal e pimenta e refogue entre 8 a 10 minutos em lume médio. Retire os camarões e coloque o arroz e regue com o fumet, mexa e deixa cozer uns 15 minutos em lume alto. Apague o lume retifique os temperos e deixe repousar uns minutos antes de servir.
Sirva os pratos com a doze de arroz e um camarão e uma colher de alioli por cima.

Nota:
Se tiver habilidade pode tirara as sacas de tinta quando as lulas forem frescas, para isso basta fazer um corte inferior na cabeça e retira-las com muito cuidado para não romper.


Bom Apetite

sábado, 16 de abril de 2016

Molho de cogumelos simples com medalhões de Vitela

Considerado um dos alimentos mais saudáveis do mundo, os cogumelos, nome dado a alguns fungos pertencente ao reino Fungi, um grupo de organismos eucariotas, que inclui micro-organismos tais como as leveduras, os bolores, assim como os cogumelos. Sendo a maioria deles comestíveis, outros, no entanto, são extremamente tóxicos, podendo, em alguns casos levar à morte, por isso sé não for um esperto na matéria o melhor e compra-los, pois são largamente cultivados com aplicação de cuidados monitorados e qualidade. Embora muitas vezes preparados como sé fossem um legume, são na realidade fungos, um organismo sem raízes, folhas, sementes ou flores. Podendo ser cultivados, nascem em muitas regiões de todo o mundo, sendo o cogumelo branco o mais comum, muito usado para adornar saladas.

Ingredientes
8 medalhões de lombinhos de vitela
1 kg de batatas para fritar
150 gramas de cogumelos brancos
1 copo de vinho branco
200 ml de natas de cozinha
2 dentes de alhos
1 laranja
Azeite quanto baste
Salsa quanto baste
Sal e pimenta a gosto

Preparação

Tempere os medalhões com sal e pimenta moída na hora, reserve. Lave os cogumelos; escolha os mais rijos e sem manchas, corte-lhes o pé e demolhe-os em água fria com umas gotas de vinagre para eliminar alguns parasitas, lamine-os.
Numa sertã com um pouco de azeite refogue os alhos picados, adicione os cogumelos e refogue mais 5 minutos, junte o vinho e deixe reduzir a metade. Junte as natas e tempere de sal e pimenta a gosto, deixe ferver em lume médio, reserve.
Aqueça uma chapa de grelhar e grelhe os medalhões com um fio de azeite. Sirva com o molho de cogumelos polvilhado com salsa picada e as batatas fritas em gomos largos, enfeita com rodelas de laranja.


Bom Apetite

sábado, 9 de abril de 2016

Ossobuco

Ossobuco é um prato tradicional da região da Lombardia, norte de Itália em especial da cidade de Milão. O nome deste prato de perna de boi à italiana, conhecido como “ossobuco” significa literalmente “Osso com buraco”, em dialeto milanês italiano "oss bus"
A explicação desta designação é simples: no norte da Itália a perna de boi é cortada às rodelas juntamente com os ossos. Cada rodela tem no centro um bocado de osso em forma de tubo. No buraco desse osso encontra-se o tutano uma iguaria rica em sabor e textura que não deve ser retirado, pois isso vai potenciar o sabor do prato.
 As peças de Ossobuco devem ter no máximo três centímetros de altura e cerca de 250 gramas, peças maiores será mais difícil o seu cozimento devido a carne magra, rígida e fibrosa a volta do osso. Ideal em preparos caldosos como cozidos de panela, ensopados, sopas e consommés. O ossobuco tem que ter um cozimento longo e vagaroso para amaciar as fibras e preservar o sabor natural da carne. Normalmente este prato e acompanhado com risoto milanês feito com açafrão, existindo por todo o mundo varias versões, mas todas iguais numa coisa, feito, muito devagar em fogo lento, pois a pressa é inimiga do ossobuco.

Ingredientes
4 rodelas de ossobuco (250 gramas cada + ou - )

1 cebola grande
1 cenoura grande
3 dentes de alho ou um alho Frances
3 tomates maduros
1 ramo de salsa
1 folha de louro
2 copos de vinho tinto de boa qualidade
Pimenta a gosto
Farinha de trigo quanto baste
Azeite quanto baste (na receita original usasse manteiga)
Sal quanto baste
Casca de um limão

Preparação
Faça um corte nas laterais das peças, tempere comum pouco de sal fino e pimenta moida na hora e passa-se por farinha ate ficar bem enfarinhados. Num tacho grande com o fundo coberto de azeite e aloure a carne de todos os lados (faça esta operação um de cada vez), no mesmo tacho no fundo coloque a cebola descascada as rodelas e os ossobucos dourados por cima. Acrescente os dentes de alhos amassados sem casca, a cenoura em tiras (utilize um descascador de batatas), os tomates em pedaços, a folha de louro, o ramo de salsa e a casca do limão. Tempere de sal e pimenta e regue com o vinho, levante fervura em lume alto para o vinho perder o álcool, acrescente água até cobrir a carne, tape a panela e baixe para lume médio-baixo. Deixe cozer umas 2 horas aproximadamente, verificando que não fique seco, acrescente água sé necessário. Sirva com arroz basmati.

Nota

Os italianos gostão de polvilhar com uma mistura de casca de limão ralado, alho e salsa bem picadinho por cima

Bom Apetite


domingo, 3 de abril de 2016

Nanaimos Bars

Tudo começou com uma limpeza a gaveta das receitas, papeis e mais papeis, até que encontrei esta receita “Nanaimos Bars”e pelo aspecto do papel já bem velhinha.

Os quadrados de Nanaimos, ou barras de Nanaimos, um doce canadiano com o nome da sua cidade natal, ou seja, a cidade de Nanaimo na Colômbia britânica da costa oeste do Canadá. Muito popular também no norte da America, esta receita dos anos 50 que nasceu graças a uma senhora que a incluiu em um livro de receitas dessa época para angariar fundos. Logo o doce ficou muito popular por toda a região, tanto em casa como em pastelarias ou cafeterias.
Posteriormente se estendeu pelos Estados Unidos, ao que os nova-iorquinos tentaram rendi-vincar para ai a sua origem.
Atualmente existem varias versões da receita original, mas todas elas com 3 camadas. Aqui fica esta receita que segundo pesquisas que fiz é das mais originais.

Ingredientes
250 gramas de manteiga pura
50 gramas de açúcar
30 gramas de cacau em pó
50 gramas de coco ralado
60 gramas de nozes
160 gramas de bolachas ( tipo digestiva)
1 ovo
1 colher (de chá) de essência de baunilha
4 colheres (de sopa) de natas
200 gramas de açúcar glass
120 gramas de chocolate negro
Preparação

Base
Derrete-se 110 gramas de manteiga e mistura-se com o cacau, adiciona-se o ovo batido e mistura-se até ficar bem homogêneo. A parte mistura-se o coco com as nozes e as bolachas trituradas, junta-se a outra mistura e mistura-se bem até ficar uma massa pastosa. Num molde  (15 cm por 25 cm), coberto com película aderente para ajudar na hora de retirar do molde, colocamos a massa pressionando bem para que fique bem compacta.

Camada do meio
Entretanto com a ajuda de uma batedeira, bata 120 gramas de manteiga amolecida ( não derretida) até que fique bem macia, misture com o açúcar glass batendo com uma velocidade media, até ficar bem homogêneo, adiciona-se a essência de baunilha e as natas, temperando com uma pitada de sal. O creme de ficar bem uniforme e esponjoso, fácil de barrar. Espalhe por cima da base e leve ao frigorifico no mínimo uma hora.

Camada de cima
Parte-se o chocolate em pedaços pequenos e derrete-se juntamente com 20 gramas de manteiga, mistura-se bem e espalhe por cima das outras camadas alisando até cobrir bem todo o preparado, leva-se ao frigorifico até solidificar bem. Na hora de servir, retire do molde e com ajuda de uma faca bem fina corte em quadrados.


Bom Apetite