Traductor

domingo, 22 de maio de 2016

Salsa Romesco "molho"

A salsa romesco ( molho romesco em português) tem origem na gastronomia da Catalunha, mais propriamente na região de Tarragona. Podemos dizer que existe tantas versões como chefs que há preparam, cada um com o seu toque, mais ou menos tomate, mais ou menos amêndoas, etc. Outrora utilizada para acompanhar peixes e marisco, pois parecer ser um molho de origem de pescadores que ao passar dos anos sé vai adaptando aos novos costumes, pode-se dizer que hoje em dia existe tantas variantes como pratos que admitem o seu uso. Com uns ingredientes sencilhos entre tomates, pimentos secos (ñoras), amêndoa, avelãs, alhos, vinagre pão e azeite. Pode realçar até uma simples salada. Receitas mais antigas na qual num almofariz esmagavam-se os ingredientes com a adição do azeite em fio até obter uma pasta fina e bem ligada, hoje em dia simplificado com um liquidificador. Um molho que deve toda a sua graça as ñoras, uma espécie de pimento cultivado em Espanha, um produto muito original, pequeno, redondo e quando fica vermelho e maduro e deixado ao sol para secar. Tem um sabor doce e é amplamente utilizado na culinária espanhola. Esta receita foi-me passada pela chef do Hotel Coray, segundo a sua preparação ai servida. Assim como outras receita que não levam avelãs, segundo cada chef,  eu adicionei o piripiri e a cebola para dar o meu toque chef.

Ingredientes
2 tomates maduros

2 ñoras
1 cebola pequena
6 dentes de alhos
50 gramas de amêndoas peladas
30 gramas de avelãs peladas
1 fatia de pão
1 vagem pequena de malagueta (piripiri)
Azeite virgem
Vinagre
Sal

Preparação
Num tabuleiro largo coloque todos os ingredientes, menos as ñoras . Os tomates com um corte em cruz por cima, os alhos e a cebola com casca, as amêndoas, as avelãs e a fatia de pão, leve ao forno pré-aquecido a 180 graus para assar uns 40 minutos. Durante esse tempo vai tirando os ingredientes conforme estejam pronto, tendo atenção que o pão fica tostado muito rápido, logo as amêndoas e as avelãs, seguido dos alhos e a cebola, deixando para o fim os tomates. Neste tempo que tem os ingredientes no forno, coloque as ñoras em água morna para hidratar, para poder utilizar a sua carne. Num copo de liquidificador (pode utilizar uma varinha mágica) coloque as avelãs, as amêndoas, os tomates sem pele e pepitas, as ñoras limpas de sementes, a fatia de pão ( a fatia de pão servira ajudara a fazer a ligação do azeite), o piripiri, os alhos e a cebola sem casca, tempere de sal e adicione umas gotas de vinagre. Triture tudo adicionando o azeite em fio até obter uma pasta bem homogênea, aqui pode dar o seu ponto mais ou menos oleoso, adicionando mais ou menos azeite. Passe o molho por um coador chino ou peneira fina para ficar limpo de alguma impureza e esta pronta para utilizar com o prato que você preferir. Pode-se guardar no frigorifico por 3 semanas, na qual mantém toda as suas propriedades.


Bom Apetite

domingo, 15 de maio de 2016

Pão com chouriço "reedição"

O pão é, sem dúvida, um dos alimentos base da alimentação portuguesa. Existe em diversas formas ao longo do território nacional, é feito com três cereais: o milho, o centeio e o trigo, dependendo da região. Com muita tradição o pão tem uma associação direta com a Páscoa, como os folares e bolas de carnes. Como hoje é a segunda Páscoa (Pentecoste), resolvi re-editar uma receita de pão, o celebre pão-com-chouriço, que é feito frequente em feiras e festas, onde é consumido quente, feito na hora, cosido no forno de lenha com o chouriço já no seu interior.



Ingredientes
500 gramas de farinha de trigo
25 gramas de fermento de padeiro
80 gramas de margarina

Água morna
sal
Chouriço ou chourição ( que baste )



Preparação
Numa tigela ponha o fermento com um pouco de farinha em um pouco de água morna alguns minuto ate levedar. depois de levedar tempere de sal e junte a restante farinha ( se necessário acrescente mais um pouco de água ) e margarina derretida amasse tudo ate obter uma massa leve e enfolada, deixe repousarem lugar quente e coberto com um pano entre 3 a 5 horas para levedar. Passado esse tempo devida em quatro partes, e cada uma delas estenda com as palmas da mão, ponha ai o chouriço e enrole a massa fazendo uns pãezinhos ao comprido. de seguida ponha em um tabuleiro enfarinhado, de uns pequenos golpes com uma faca e vai ao forno a 180 graus durante 30 minutos ( + ou - ). Quentes são uma delicia.

Bom Apetite

sábado, 14 de maio de 2016

Pernas de frango com cúrcuma

De vez em quando dou um passeio pela net, mais propriamente nos blogs de culinária, e justamente num desses passeios dei com algumas confusões que certas pessoas fazem entre a cúrcuma e o açafrão das índias ou açafrão da terra como também é conhecido. Não é que seja um grande esperto, mas há coisas que fico abismado de ler, claro que muitas vezes somos enganados por certas marcas, ( esta é uma das razões por que não me associo a marcas) por isso a que pesquisar uma pouco para ter o mínimo de conhecimento do que sé publica. Assim para que não tenha duvidas aqui esta o que sei sobre o açafrão e a cúrcuma.

Os filamentos de açafrão são os estigmas de uma flor de cor lilás, na qual uma grama pode chegar a preços caríssimos. Também pode ser encontrado em pó, mas com preços já reduzidos, O açafrão transmite uma forte cor amarela e tem um gosto único e penetrante, A sua melhor utilização é com arroz e peixe - por exemplo, na paella espanhola, risottos italianos e pilaffs indianos. 


A cúrcuma não é uma raiz como muitos pesam, ela é um rizoma, ou seja, um caule subterrâneo de uma planta. Menos mal chamar de raiz, mas nunca chamar de açafrão. Normalmente vendida em pó desidratada, com um preço mais acessível tem um aspecto amarelo escuro e é rica em antioxidante, geralmente usada em pratos de caril e picles, muito boa quando usada parcimoniosamente em frango e peixe. Duas especiarias de plantas diferentes, que na cozinha são autênticas maravilhas, isto sem falar dos seus poderes medicinais...

Ingredientes
4 pernas de frango inteiras
1 colher (das de chá) de cúrcuma
1 colher (das de café) de mel
1 colher (das de sopa) de farinha de trigo
2 colheres (das de sopa) de azeite
Tabasco a gosto
Limão
Sal fino

Preparação


Numa taça coloque a farinha, a cúrcuma, o mel, o azeite e algumas gotas de sumo do limão. Mexa estes ingredientes até obter uma mistura bem homogênea e tempere de tabasco e sal a gosto, unte as pernas de frango com a mistura e deixe repousar uns minutos. Coloque as pernas num tabuleiro com grelha e leve ao forno pré-aquecido 180ª graus uns 20 minutos ou até ficar assado. Ao meio do assado virar as coxas para que fiquem douradas por igual, retire do forno e coe o molho. Pode servir com cuscuz e pimentos italianos assados com um pouco de molho por cima.


Bom apetite

domingo, 8 de maio de 2016

Empadão de carne à espanhola

Empadão de carne, um dos pratos mais tradicional em Portugal, sendo também muito popular no Brasil similar em frança com o nome de Hachis parmentier, ou da Cottage pie na Inglaterra.
Uma preparação feita normalmente com purê de batata ou arroz, que vai ao forno com um recheio, que pode ser de carne, frango atum, bacalhau, marisco, legumes, etc., tendo algumas versões feitas com farinha de trigo, na qual denominam-se torta. A versão portuguesa mais tradicional é a com carne de vaca moída e purê de batata, na qual o recheio é normalmente feito refogando a carne moída ou cortada em pedaços, ou a de bacalhau partido em lascas, com cebola e alho.
Hoje em dia existem varias receitas que emprega tomates, cogumelos, milho-verde, ervilhas, requeijão, etc..
Sendo assim hoje trago uma receita diferente na qual a carne picada fica na parte de baixo, na qual os espanhóis chamam-lhe Pastel de carne e purê.

Ingredientes
600 gramas de carne de vaca picada

3 tomates maduros
1 cebola media
2 dentes de alhos
1 colher (das de chá) de pimentão doce
100 gramas de queijo ralado (mozarella)
500 gramas de batatas
2 gemas
Noz moscada
Manteiga
Pimenta
Sal 



Preparação

Coza as batatas com a pele em água bem temperada de sal, depois de cozidas retire a pele e reduza a purê com a ajuda de um passe-vite, adiciona-lhe a manteiga e as 2 gemas de ovo, mexa bem até ficar bem homogêneo, tempere com a noz moscada, reserve.



Numa sertã grande faça um refogado com a cebola e os alhos picados durante uns 5 minutos, adicione a carne e tempere de sal e pimenta, refogue até ficar bem dourada. Adiciona-lhe os tomates triturados e siga refogando mais uns 8 minutos, apague o lume e deixe apurar. Numa travessa de vidro que possa ir ao forno, espalhe no fundo o preparado de carne e cubra com o purê de batatas misturado com o queijo. Espalhe pimentão doce por cima e vai a forno para gratinar, sirva quente simples ou com pimentos italianos fritos.


Bom Apetite

sábado, 7 de maio de 2016

Arroz a "Banda" com camarões

O Arrós a banda pronunciado em valenciano de Valência(arroz a parte em português) é um prato de arroz típico da zona costeira da província de Alicante, mas também muito popular na região de de Múrcia ou Barcelona . É um arroz Mediterrâneo típico dos pescadores, feito a base de caldo de pescado.
Outrora feito em separado, ou seja, fazia-se uma caldeirada com restos de peixe, mas de um sabor forte na qual se servia com alioli, as batatas e o pescado limpo de espinhas boiando por cima do caldo. Com o resto do caldo da caldeirada que ficava na panela, numa paellera fazia-se o arroz que sé comia a parte, daí o nome a banda.

Era um prato de gente pobre que com o passar dos anos pouco a pouco vai-se sendo elaborando com caldos de marisco ou peixe mais seletos.

Ingredientes
300 gramas de arroz redondo
200 gramas de camarões
1 litro de fumet (caldo de pescado com um sabor forte)
3 dentes de alho
1 cebola pequena
1 tomate grande bem maduro
1 malagueta pequena (piripiri)
1 colher (das de sopa) de vinagre
Filamento de açafrão quanto basteAzeita quanto baste
Salsa quanto baste
Sal a gosto



Preparação
Asse o tomate no forno alguns minutos, retire a pele e as sementes, reserve. Num morteiro amasse os alhos e a malagueta com a salsa e misture com o tomate ralado e um pouco de azeite, misture bem e acrescente a cebola bem picada, volte a misturar e junta-lhe o vinagre e tempere de sal.
Numa paellera ou uma sertã grande com um pouco de azeite doure os camarões de ambos lados até ficarem bem dourados, adiciona-lhe duas colheres (das de sopa) do preparado e mexa durante 2 minutos em lume muito lento, retire os camarões e reserve. Na mesma paellera coloque o resto do preparado e o arroz, deixe estrugir uns 2 minutos, acrescente o fumet e deixe ferver. Coloque o açafrão e mexa, retifique o sal e deixe cozer 10 minutos em lume alto, logo vaia reduzindo o lume progressivamente entre 8 a 10 minutos mais. Um pouco antes de terminar enfeite com os camarões.
Retire a paellera do lume quando o arroz esteja cozido, salpique com salsa picada e deixe repousar 5 minutos antes de servir.


Bom Apetite