Traductor

sábado, 11 de dezembro de 2010

Cavacas


Ò freguesinho, não vai meio arrátel? Olhe que são de Resende!”,
Era desta forma que as doceiras do concelho apregoavam, no século XIX, um dos doces regionais mais deliciosos e apreciados nesta região: as Cavacas de Resende as mais famosa de todas. Hoje, as Cavacas encontram-se à venda durante todo o ano em quase todos os cafés, pastelarias e restaurantes, e como a sua confecção é aparentemente fácil, há muitas pessoas que as sabem confeccionar, não correndo o risco de esta tradição acabar. 
Sobre a origem deste precioso doce não há registos, no entanto, existe uma lenda que defende o seguinte: na Idade Média, uma senhora que residia em Vinhós ( concelho de Resende ) preparava a boda de casamento da sua filha e confeccionou o bolo de noiva, entretanto, o casamento teve de ser adiado devido a uma peste que estava a assolar o concelho, e dadas as poucas possibilidades econômicas, a senhora viu-se obrigada a conservar o bolo até á data do casamento, pelo que retirou a parte de cima daquele e molhou a parte restante numa calda de açúcar que lhe restituiu a frescura e fez as delícias de todos os convidados.
Tratando-se de um doce conventual, penso que vai bem nesta altura do ano.

Ingredientes; para as cavacas
8 ovos
1 chávena ( das de chá )de farinha de trigo
3/4 de chávena ( das de chá ) de azeite
1/2 chávena ( das de chá ) de aguardente
manteiga que baste para untar as formas
Ingredientes; para a calda
3 claras de ovo
1 1/2 chávena ( das de chá ) de açúcar

Preparação
Num alguidar bata os ovos apenas para misturar as gemas e as claras, junta-lhe a farinha peneirada, o azeite e a aguardente. Bata durante uma hora aproximadamente, divida essa massa pelas formas ( formas redondas baixas, tipo forma de flans ) untadas com manteiga. Leve a cozer em forno pré-aquecido até crescerem e ficarem douradas, desenforme e deixe arrefecer sobre uma rede de cozinha. Entretanto prepare a calda batendo as 3 claras com o açúcar até espessar, regue as cavacas com esta calda e deixe secar separadas em cima de papel vegetal.

Bom Apetite

4 comentários:

  1. Obrigada pela receita. Partilhei-a num dos meus blogues.
    Conheço outra lenda, que também partilhei nesse blogue.
    Pode encontrar aqui a lenda.
    http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1460638&seccao=Centro&utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%253A+DN-Portugal+%2528DN+-+Portugal%2529

    ResponderEliminar
  2. Ola tenho o livro onde tem essa receita e ela nao bate certo, já alguém a experimentou?

    ResponderEliminar
  3. Olá meu caro anónimo, posso dizer que eu já as fiz, assim como todas as receitas deste blog. Posso dizer que o segredo para elas baterem certo e a pasciéncia na hora de bater ( 1 hora . Ter atenção ao forno (pre-aquecer), pois variam de temperatura de marca para marca.

    BOM APETITE

    ResponderEliminar
  4. Fiz hoje as minhas não são bem assim mas é natural porque sou de muito longe de Resende. Acho que a receita varia um pouco de regiao para região, mas no fundo o que conta é o sabor ... no fundo basicamente os ingredientes sao quase os mesmos. Por isso não devem fazer muita diferença. Mas obrigado pela partilha

    ResponderEliminar